domingo, 13 de maio de 2012

13º Capitulo - Desabafo



[Mia]

- Tu chamaste-me princesa? – só depois de me acalmar do pesadelo que tinha tido é que realmente me apercebi do que o Louis me tinha chamado, ainda estava meia em choque.

- Desculpa, disse sem pensar! Não o volto a dizer… - reparei que ele tinha ficado um pouco mais corado do que era normal. Mas não cheguei a perceber porquê.

- Ei, tem calma. Só fiquei surpreendida… - respondi rapidamente – podes continuar-me a chamar assim, é querido! – ele apenas sorriu e deu-me um beijo na testa.

***

Ouvir aquelas respostas do Harry fizeram-me pensar em demasiadas coisas. Quase que tropeçava em alguns cabos que estavam no chão qual era a minha desconcentração. Tinha que tirar da cabeça aqueles pensamentos senão não conseguia fazer o meu trabalho. No final apercebi-me que o Harry queria falar comigo mas eu não queria. Já sabia se falasse com ele iria acabar por chorar e isso não queria.

***

Os dias passavam rapidamente e normalmente chegava ao final do dia exausta. Cada vez tinha mais a certeza que queria continuar a fazer aquilo para o resto da minha vida, divertia-me mesmo muito. Tínhamos acabado de chegar a Los Angeles, a seguir a São Francisco, era sem dúvida a minha cidade favorita. Tivemos de passar novamente por toda aquela gritaria, mas após alguns dias, já me tinha habituado minimamente. Deixei as minhas coisas no hotel e fui até á praia. Como tínhamos a tarde livre decidi estar um pouco com a paz do mar. Após algumas horas longas a pensar inevitavelmente no Harry apareceu o Liam ao pé de mim. Sentou-se ao pé de mim também a ver o horizonte.

- Posso-te fazer uma pergunta? – perguntou-me o Liam

- Claro – respondi de imediato ainda a contemplar a magnifica paisagem proporcionada pelo mar – diz lá!

- Já conhecias o Harry? – olhei para o Liam completamente apanhada de surpresa.

- Como assim? – tentei parecer o mais natural possível

- Se já o conhecias antes de vires de São Francisco?

- Não. Que ideia mais disparatada é essa? – perguntei tentando conter-me ao máximo, mas sem sucesso.

- Não é assim tão disparatada quando realmente se começa a pensar. Desde que chegaste que o Harry anda diferente, fica estranho quando está ao teu lado. E não me digas que não está porque eu conheço-o. – ainda não estava a acreditar no que os meus ouvidos captavam – Além disso a Nicole disse-me que viveste em Holmes Chapel alguns meses por causa do emprego do teu pai. – a expressão dele mudou substancialmente. Parecia que se tinha feito luz na cabeça dele – Espera aí…o Harry contou-nos que teve uma namorada que o deixou para ir para São Francisco. Não acredito, foste tu? – levantei-me de imediato da areia, não queria acreditar que ele tinha descoberto.  

- Estás a alucinar Liam… - por mais que quisesse ocultar não conseguia, a minha expressão não me deixava mentir.

- Agora tudo faz sentido. Como foste capaz de deixar uma carta sem sequer falares com ele? Tu tens noção do tempo que ele demorou para ultrapassar o que lhe fizeste? – a conversa estava-me a deixar desconfortável e as lágrimas pareciam querer-se formar   

- Não tens o direito de me julgares… - respondi com a voz a falhar-me

- Tu viste bem o que fizeste? Como é que tiveste coragem de acabar uma relação por carta?

- Liam, pára com isso!

- Não vou deixar que tu o voltes a magoar, não vou permitir. Já sofreu demasiado contigo. Ele está muito bem com a Colbie.

- Estás a ser muito injusto comigo. Tu só sabes a versão do Harry…

- Também não quero saber a tua! Foi um erro teres vindo…

- Em primeiro lugar sou suficientemente profissional para não misturar as coisas. Em segundo lugar, eu sei que ele está feliz com a Colbie e não tenho intensões de prejudicar a relação dele. – nem me tinha apercebido que o meu tom de voz estava alto demais – Em terceiro lugar, mesmo que não queiras saber a minha versão eu conto-te. – respirei fundo e continuei - O meu pai trabalha para um senhor dono de centenas de hotéis espalhados por todo o mundo. Ainda estava a viver em Portugal quando o meu recebeu uma proposta para ser administrador de um dos muitos hotéis que tem em Inglaterra. Era um grande passo na carreira dele, eu tinha apenas dois anos de idade por isso foi fácil a decisão dos meus pais. – fiz uma pequena pausa – Sim, vivi em Holmes Chapel alguns meses. Sim, conheci o Harry, e sim, namoramos. Mas o dono dos hotéis gostou tanto do trabalho do meu pai que decidiu promove-lo. Essa promoção consistia em ir para São Francisco e o meu pai ficaria com o total controlo de todos os hotéis da Califórnia. Era uma oferta irrecusável por muito que nos custasse. Quando os meus pais me contaram, eu só queria ficar…ficar com o Harry. Se ao menos tivesse família cá, poderia ter ficado mas estão todos em Portugal. Além disso tinha apenas quase dezasseis anos! Não iria ficar sozinha em Inglaterra. Para além de que, quem é que aos dezasseis anos pensa que um namoro é para toda a vida? Por mais que gostasse dele, não poderia ficar. Eu sei que a forma como o informei não foi a melhor. Eu sei. Mas se o tivesse á minha frente, seria incapaz de lhe dizer seja o que for.

- Não devias mesmo assim, ter deixado apenas uma carta…

- Liam, diz-me, como é que se diz à pessoa que amas que se vai para o outro lado do oceano? Que só a poderás ver três vezes durante um ano? Que relação aos dezasseis anos resiste a uma distancia tão grande? Eu só o fiz porque achei que era a melhor solução na altura, mas já vi que não foi. – limpei as lágrimas que teimavam em cair – Eu simplesmente amava-o…        

- Vou ser sincero. Quando o Harry nos contou, a primeira coisa que pensei foi como é que era possível haver neste mundo uma pessoa tão fria e insensível para fazer tal coisa. Juro que não compreendia…

- E agora já compreendes?

- Compreendo de certa forma mas não concordo com o que fizeste. Era preferível teres contado e depois acabarem do que nunca sequer terem tentado – ele chegou-se ao pé de mim e limpou-me as lágrimas – Porque é que voltaste?

- Acho que foi pelo Harry. Sabes, desde que me fui embora que dizia para mim a toda a hora que o conseguia esquecer, que era apenas temporário. Mas não. O Harry foi o meu último namorado. Todos os rapazes me faziam lembra-lo, ou era o cabelo encaracolado, ou era os olhos, ou o sorriso. E depois um vazio apoderava-se de mim e fechava-me do mundo. Acho que aquilo que sentia por ele apenas ficou guardado e quando o voltei a ver, apercebi-me que aquilo que sentia á mais de dois anos ainda estava cá.

- Ainda gostas dele?

- Ele está com a Colbie, e como tu próprio disseste, está feliz. É a única coisa que me interessa.

- Não respondeste á minha pergunta. – disse a sorrir

- Vou seguir com a minha vida em frente. – voltei a sentar-me na areia e o Liam acompanhou-me. Ficamos algum tempo em silêncio até que ele voltou a falar

- E o Louis? Já vi que te dás muito bem com ele…

- Ele é um querido. Quando estou com ele esqueço-me quase do Harry por breves minutos. Ele faz-me rir, sinto-me bastante bem com ele.

- Mas não é a mesma coisa do que com o Harry, não é?

- É complicado… - ficamos mais alguns segundos em silêncio – não acredito que estou a ter esta conversa contigo!

- Porquê?

- Porque és amigo do Harry, e porque és a segunda pessoa a quem eu conto tudo isto. Era só a Nicole que sabia…

- Não te preocupes, eu não conto a ninguém se é assim que queres.

- Obrigada!

- Só mais uma coisa, desculpa. – fiquei surpreendida

- Desculpa porquê?

- Pela forma como falei contigo no início. Não deveria ter falado daquela maneira sem ter pelo menos, ouvido a tua parte. Eles são como se fossem meus irmãos, não quero que lhes aconteça nada. Quero apenas que eles estejam felizes…

- Eu sei Liam. E compreendo. Estás desculpado…

- Obrigada!

O resto dos rapazes acabaram por chegar pouco tempo depois. Vinham todos de calções prontos para ir para a água. Todos eles correram para a água menos o Louis que ficou a olhar seriamente para mim. Tinha um mau pressentimento sobre aquele olhar. Sem poder defender-me, ele pegou em mim ao colo e levou-me para a água. Bem tentei espernear e dizer que estava vestida mas ele não mudou de ideias.

- Louis, se me atiras á água és um homem morto! – foram as minhas últimas palavras antes de sentir a água fria contra as minhas roupas.



-----

Este capítulo não ficou completamente do meu agrado -.-'. Vou ter teste amanhã de matemática e a minha inspiração nestes últimos dias anda pelas ruas da amargura. 
Espero, ainda assim, não vos desiludir! 
Amanha, conforme me correr o teste, vejo se publico ou não. Se correr bem, venho de certeza bem disposta e com imensa inspiração, agora se correr menos bem, duvido que tenha cabeça para escrever. Só espero que corra bem xD

Dri

3 comentários:

  1. Adorei :)
    Boa sorte para o teste :b

    ResponderEliminar
  2. Adorei!
    Espero que o teste corra lindamente para ficares inspirada :)

    ResponderEliminar

Deixa a tua marca xD